DESTAQUES

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Evangelho, Sal e Luz


“Vós sois o sal da terra, vós sois a luz do mundo” (Cf. Mt 5, 14-14). O Papa Francisco, há poucos dias, apresentou dois cenários nos quais se move a humanidade. De uma parte, ele chamou de “carnaval” da curiosidade mundana, da sedução, a busca contínua de novidades, numa sociedade em busca das aparências, na qual também a verdade é truncada, uma sociedade “líquida”, expressão cunhada pelo filósofo polonês Zygmunt Bauman, recentemente falecido, sem pontos fixos de referência, a cultura do efêmero, do uso e descarte imediato. Diante do mundanismo reinante, o Papa apresenta o cenário oposto para passar da superficialidade barulhenta através das boas obras daqueles que se tornam discípulos de Jesus e que se tornam sal e luz. “Assim também brilhe a vossa luz diante das pessoas, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus” (Mt 5, 16). A resposta de Jesus e da Igreja a este ambiente “líquido, ensina o Papa, são justamente as boas obras que podemos realizar, graças de Cristo e ao Espírito Santo, que fazem nascer no coração a gratidão ao Pai, o louvor e a justa inquietação diante da força do Evangelho. Mas para que esta verdadeira “sacudida” aconteça é necessário que o sal não perca o sabor e a luz não se esconda (Cf. Mt 5, 13-15). Infeliz o sal que perde o seu sabor. Infeliz uma Igreja que perde seu sabor (Cf. Papa Francisco, Homilia do dia 21 de janeiro de 2017, no encerramento do Jubileu pelos oitocentos anos da confirmação da Ordem dos Pregadores –Dominicanos)
As “boas obras” que agradam a Deus e podem mudar o mundo são descritas de forma poética e profética no texto de Isaías (58, 7-10). Surge a luz da prática do serviço aos mais pobres, assim como a libertação de todos os vínculos de opressão que, infelizmente, acompanham todas as etapas da história humana, inclusive a nossa. Estes acompanham dolorosamente a humanidade, inclusive, e, sobretudo, em nossos dias. Este texto inspirou um belíssimo canto, retomado muitas vezes em nossas liturgias: “Como o raiar, raiar do dia, a tua luz surgirá e minha glória te seguirá, e minha glória te seguirá! Penitência que me agrada é livrar o oprimido das algemas da injustiça, abrigar o desvalido, repartir comida e roupa com o faminto e maltrapilho! Teus clamores ouvirei, tuas chagas sararão, se expulsares de tua terra toda vil escravidão, se com pobres e famintos dividires o teu pão! Tua noite será clara, teu jardim florescerá, vivas fontes jorrarão! Sobre antigos alicerces reconstróis nova cidade, e prezares o meu nome, se meu dia respeitares. Se por mim deixas teus planos, acharás felicidade!” (Reginaldo Veloso). É Deus que fala ao seu povo, já numa fase desafiadora de sua história, no retorno do exílio, quando tudo deve ser reconstruído. O nosso tempo é também desafiador. Nos presídios ou em nossas ruas, a violência se espalha e o sonho da paz começa a se transformar em grito!
Passados os séculos, pode acontecer que a escuridão gerada pelo mistério da iniquidade, sempre presente, impeça a visão dos sinais de esperança. Jesus no Sermão da Montanha (Cf. Mt 5, 13-16), apresenta dois elementos importantes da própria natureza, com os quais abre horizontes à vida dos discípulos missionários e os impulsiona na tarefa da Evangelização. Sal e luz podem se ligar a outras comparações usadas pelo Senhor, como a semente ou o fermento, através dos quais a presença do Reino vem a ser compreendida. São comparações em que a desproporção entre a imensidade do mundo a ser transformado parece suplantar a pequenez do que temos à disposição para edificar o Reino de Deus. Deixemos que o aparente exagero de Deus tome conta de nossa cabeça! Parábolas são contadas a partir da vida e são compreendidas por quem se empenha em viver com profundidade, já que, para Deus, o livro da Bíblia e o livro da vida estão sempre unidos.
O sal faz emergir o sabor dos alimentos, serve para conservar, pode ser remédio para curar feridas e é oferecido com abundância pela própria natureza criada por Deus. Se não vem na justa medida e aparece mais do que o alimento, atrapalha tudo. Assim o cristão presente no mundo, haverá de testemunhar primeiro com a vida, de modo que onde ele se encontrar tudo ganhe sabor e sentido. Até seu modo de falar deve ser trabalhado e aperfeiçoado: “Que vossa conversa seja sempre agradável, com uma pitada de sal, de modo que saibais responder a cada um como convém” (Cl 4,6).
A luz, por sua vez, faz ver cada coisa em suas verdadeiras dimensões. Optar por aparecer e fazer sucesso, ou até transformar a própria fé em exibicionismo, prejudica o próprio caminho da Evangelização. “Que ninguém vos iluda com palavras fúteis: é isso que atrai a ira de Deus sobre os rebeldes. Não sejais cúmplices destes. Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Procedei como filhos da luz. E o fruto da luz é toda espécie de bondade e de justiça e de verdade. Discerni o que agrada ao Senhor e não tomeis parte nas obras estéreis das trevas, mas, pelo contrário, denunciai-as. O que essa gente faz em segredo, é vergonhoso até dizê-lo. Mas tudo o que é denunciado é manifestado pela luz; e tudo o que é manifestado torna-se claro como a luz. Eis por que se diz: „Desperta, tu que estás dormindo, levanta-te dentre os mortos, e Cristo teiluminará‟. Portanto, ficai bem atentos à vossa maneira de proceder. Procedei não como insensatos, mas como pessoas esclarecidas, que bem aproveitam o tempo presente, pois estes dias são maus. Não sejais sem juízo, mas procurai discernir bem qual é a vontade do Senhor” (Ef 5,6-17).
O autor destas palavras escreveu ainda: “Com efeito, Deus, que disse: Do meio das trevas brilhe a luz, é o mesmo que fez brilhar a luz em nossos corações, para que resplandeça o conhecimento da glória divina que está sobre a face de Jesus Cristo” (2 Cor 4, 6). Sabemos que Paulo passou por um processo de conversão. De fato, teve um encontro com uma luz diferente: “Paulo aprendeu o que devia fazer: se ficou cego, se a luz do mundo lhe foi subtraída durante certo tempo, foi para que no seu coração brilhasse a luz interior. A luz é retirada ao perseguidor para ser dada ao pregador; naquele momento em que não via nada deste mundo, viu Jesus. Ele é um símbolo para todos os que professam a fé: aqueles que creem em Cristo devem fixar nele o olhar de sua alma, sem ter em consideração as coisas exteriores” (Santo Agostinho, Bispo de Hipona, doutor da Igreja, Sermão279).
Quem viu o Cristo com os olhos da fé, mesmo sem ter caído fisicamente do cavalo a caminho de Damasco, traz consigo as marcas do encontro que transformou sua vida. Deixar-se iluminar por Cristo é condição para que sua luz se reflita em nós, a fim de que os outros acreditem. Não se trata de ofuscar as pessoas, mas discreta e decididamente mostrar-lhes a estrada. Além disso, não desprezar qualquer oportunidade para que as diversas situações humanas sejam diferentes para melhor, com a presença dos cristãos, chamados sal da terra!
alt
  
Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém do Pará
Assessor Eclesiástico da RCCBRASIL

Postar um comentário

 
Copyright © 2015 RCC PIAUÍ - Renovação Carismática Católica do Piauí. Desenvolvido por Ministério de Comunicação Social